É com grande alegria que começo a escrever essa postagem, a primeira de muitas.

Aqui não escrevo sozinha, somos duas amigas, ambas coachs, mães, reflexivas, traçando uma vida com propósito.

Aqui, eu e a Shelley, falaremos de coisas que nos fazem seguir adiante, reflexões para uma vida em movimento, dinâmica e que apesar das adversidades segue em frente, em ascensão. Falaremos de coisas que trazem calmaria e coisas que fazem o coração disparar. Falaremos de vida!

Para quem ainda não me conhece, vou me apresentar melhor: sou Amanda Delfino. Mulher, cristã, casada, mãe de 3 pérolas, corredora, apaixonada pela vida e pelas possibilidades que ela nos traz. Sou muita grata a Deus pela vida!

Sou fisioterapeuta por formação e trabalho há mais de 15 anos dentro de um hospital. Já vi muita gente doente, muito grave, no leito na luta contra a morte. Mas também trabalho há mais de 15 anos com vida. Gente lutando pra viver, que daria tudo por mais um tempo de vida. Gente que se tivesse tempo faria coisas diferentes. Viveria diferente… ou ao menos tentaria. Gente que cuidaria mais da saúde, que comeria melhor, que faria atividade física, que fumaria menos,que cuidaria mais da sua vida, que estaria mais presente, que se preocuparia menos, que seria mais feliz, que chatearia-se menos, que perdoaria mais, que exercitaria mais a fé. Enfim, muita gente que “se” tivesse a oportunidade…

Sou coach por vocação, por paixão. Como no hospital, recebo no meu coachingtório pessoas na luta pela vida. Só que neste caso, muitas vezes, a luta não é pela sobrevivência, é pelo sentido da vida, pelo VIVER! E isso é incrível. Estamos rompendo barreiras do sobreviver, queremos muito além disso. Estamos entendendo que cuidar da saúde (física e mental) é essencial. Que cuidar de nós mesmos nos abastece e nos permite cuidar do próximo com mais alegria e verdade. Queremos ser pessoas melhores. Queremos deixar um legado.Queremos entender e nos apropriar da nossa missão, dos nossos valores. Queremos muito mais que sobreviver. Queremos viver, viver com propósito.

Somos o reflexo das nossas crenças, dos nossos valores, das nossas emoções/sentimentos e pensamentos. A forma que reagimos as diversas situações são reflexos das nossas percepções de vida, da percepção da nossa história. Muitas vezes tentamos mudar algo que não está legal e não conseguimos. Ou até começamos e depois fica muito difícil e desistimos.

Tem algo por aí que não está legal? Que precisa ser melhorado/ transformado? Não consegue atingir aquele tão sonhado objetivo (seja pessoal ou profissional)? Tem a sensação de terminar o ano em dívida com você mesmo e mais uma vez promete as mesmas mudanças para o próximo ano?

Experimente começar diferente. A transformação deve começar de dentro. Como uma lagarta, que para se tornar uma bela borboleta, precisar entrar no casulo, se transformar e só depois alçar voos incríveis. Não adianta jogar a lagarta pra cima e querer que ela voe. Não vai voar. Vai se espatifar no chão. A metamorfose precisa acontecer se quiser voar.

Muitos querem a transformação mas não sabem como consegui-la verdadeiramente. Querem ser diferentes, mas continuam agindo igual.

Entender como funcionamos é a chave da mudança da direção da nossa vida. Se queremos transformar algo, temos que começar de dentro. Um processo bem estruturado de coaching, nos permite esse  autoconhecimento  e aliados a essa identificação é traçado uma nova rota, planejada com clareza e por fim, de uma forma decidida e dinâmica o tão sonhado voo ao encontro do sua meta, do seu objetivo, do seu sonho.

Quando almejamos novas ASAS, devemos nos comportar como uma boa lagarta e entrar em nosso casulo. Porque o melhor da gente não está nos outros, está tão perto que nossos olhos não conseguem enxergar… é preciso sentir!

Sejam bem-vindas todas as borboletas!